Wednesday, August 16, 2017

As curvas da estrada

Quando você muda a sua vida, tudo muda com você. Para uma pessoa acelerada e livre que estava estagnada há algum tempo, foi tudo que meu corpo pedia.

Mil eventos, mil situações, pessoas, emoções, trocas, experiências. Como se mil aparelhos elétricos fossem ligados em um gerador que estava em 100% há muito tempo, ocioso e desperdiçando energia.

A aceleração, a adrenalina, o 'vento no rosto', o tesão, a força, a autoconfiança. A estrada reta.

E a certeza da inconstância de tudo.

Para quem acelera, as imagens passam rápido e as misturas dos cheiros embriagam. Existe torcida, existem inúmeros passageiros que querem compartilhar as emoções com você.

E vem a curva.



A curva é interessante, porque ela é perigosa. Ela é energética. Ela chacoalha. Por incrível que pareça, você pode sim continuar acelerando nas curvas, mas não sem eventualmente bater.

Você bate em porções de coisas: muros emocionais, árvores secas, buracos na estrada, ou até em outras pessoas vindas de direções opostas. As próprias batidas colocam mais energia nessa velocidade toda. É inesperado; é por vezes gratificante se ver vivo depois dela, como ao ouvir o 'clique' numa roleta-russa.

A grande verdade é que o carro desgovernado é muito divertido, mas ninguém aguenta ficar muito tempo dentro dele. Não dá para aguentar tanta emoção. Então, para que seu carro fique sempre cheio, você vai precisar sempre estar com gente entrando e saindo o tempo todo.

Criamos agora a vida de montanha russa: se o palhaço tinha que parecer sempre feliz, a montanha russa tem de estar sempre acelerando. Não dá pra fingir acelerar.

Mas as pessoas estão sempre ali, entrando e saindo desse carro. Mas você...

É. Você mesmo. Eu mesmo.

Você precisa estar ali para as pessoas gostarem de você, né? Você precisa dirigir, né?






Não.





Não é possível acelerar sempre... Não é possível ser sempre isso.

Com o tempo...
...o carro tem de desacelerar.
...você percebe que o carro acelerado é solitário, mesmo que sempre cheio.
...você acredita que pode estar sozinho no seu carro, sem estar solitário.


Você percebe que estar sempre com alguém não significa estar acompanhado. Que estar sozinho pode significar estar com muitos, desde que as vozes na sua cabeça sejam conciliadoras e calmas.

Porque, se você está com muitos, mas as vozes na sua cabeça tem que gritar para que você ainda seja você, significa que você não ouve mais ninguém. E talvez esse seja o menor dos males de aonde você está.










Desacelerar o carro.

...é mais ou menos um hábito. Algumas pessoas desaceleram apenas por causa dos radares, mas elas deveriam estar mesmo desacelerando por causa de suas vidas.
Chegou a hora de desacelerar. Mas isso é um hábito como qualquer outro. Demora, e quando você menos vê, já o fez automaticamente de novo.






Oração;

Orar para que, nos momentos cruciais, se convença a tirar o pé.
Para sanar essa vida.
Para que essa vida continue valendo a pena ser vivida.



Porque aí, nesse momento de nirvana;
O carro cheio estará cheio,
O carro vazio estará cheio,
E o carro simplesmente será.

Thursday, October 06, 2016

Break, Renew

For the girl in my sleep
Know this one ain't for you
It's a song for this deep
Love I need to get through

So soon, I couldn't ache
So fast ere I were to take
A mind stretched by pace
A heart eased by my face

Were I to be you
Oh, we'd renew


Thursday, June 30, 2016

Dualidade

Se eu soubesse como eu ando bem
Tão feliz e contente
Que quando chego ao meu ápice
Desmorono em pedaços

Se eu soubesse como não faz sentido
Sentir-se tão bem e voar tão alto
Que quando vôo tão alto
Enjôo do vôo tão alto

Que quando tudo dá certo,
Fico tão triste
Que quando sorrio e rio
Quero ver tristeza

Se quando eu acho uma luz
Eu a quero apagar
E quando estou no escuro
Estou desesperado

E tudo é motivo de desconfiança
E eu não confio em ninguém
E aí fico sozinho aqui como agora
Duvidando como sempre de alguém

Eu duvidava até de você
Quem mais me amou e me quis bem
Mas sem choros, eu fiz
Algo que precisava fazer

Mas essa dualidade me mata
aos poucos e sempre
Essa dualidade me mata
Essa dualidade sou eu

Tuesday, May 24, 2016

Espirais

Erguer minha voz mais alguma vez
Erguer a voz mais uma vez
Erguer minha voz mais alguma vez
Erguer a voz mais uma vez
E finalmente cair esgotado.

Tuesday, April 19, 2016

Thank You

See, it hurts now
But it will pass
One day it's just a memory
Life's still worth it, yes


One day it's gone... It's that
Life's still pretty
Well sometimes... It's sad
If you still feel it
You're glad

So long now, and still... And yet
I'll always feel, bit sad
Just like the memories of everything I ever had

I can still feel the fresh air
The grass the happiness the sounds so fair
My life, it was a good life with you
But maybe girl I hadn't been that true
For whilst with myself, well, I was still bad
I needed me. I needed someone I was glad

So long together, it was true
Thank you, thank you, thank you

For I'll forever miss you, oh, it's true
And it hurts cause I've missed myself, and you,
But this is life and all we do
Well we just keep looking into the future
And I just know that my heart will still be yours
A bit of me is you
It will be forever yours

You made me into something; I made it into something

Tuesday, January 26, 2016

A Terceira Guerra

Eu estava tão bem
Até que você veio
Me disse palavras de amor
E sem rodeio
E eu tentei não ser rude
Mas não deu certo
Eu não sentia o mesmo
Eu fui honesto

Eu estava tão bem
Até que você veio
Com seu calor e seu sorriso
Com seu rodeio
Derrubou sem eu perceber a armadura
E eu fiquei todo sem jeito
Sem minha casca dura

E se agora eu caio, vou procurar minha vida
Vou procurar minha certeza
E se você for só mais um escape
Eu vou trombando

Essa explosão que fica dentro de mim não sara
Essa agonia que morre e aí renasce
E eu que enfrento tudo por mais um dia
Respirar fundo, quem sabe, quem sabe um dia

O Omega ainda está aqui, me levando pra baixo
E essa guerra não acabou, ela está longe de acabar
Não tão longe de acabar comigo
Mas ela já esteve mais perto

Como um dia eu vou poder saber?
Só Deus sabe
Mas eu queria ouvir sua voz mais uma vez

Sunday, December 27, 2015

Cores

Me senti triste quando me senti de fora
Sonolento e no escuro fiquei por hora
A solidão era motivo de tristeza
Os humanos são sociais por natureza

Me senti triste quando me senti longe
Não sabia bem para ir por onde
E a distância era motivo de mais choro
E as vozes da vida ficavam sem coro

E a minha tristeza virava depressão 
E qualquer luz aumentava a escuridão 
E eu já nem sabia para onde queria ir
E logo eu me senti perdido em rir

Aí fiquei sabendo de uma nova bênção 
Uma alegria escondida dentro da solidão 
E o mundo reservado a quem reserva a si ledo
Um mundo reservado a quem faz seu enredo

E a distância virou amiga querida
A dor deixou de ser uma dor sem saída
E até mesmo a tristeza que permeia essa vida
Faz valer a pena a vida ser vivida

Agony's defeat

Somebody said someone should come in every morning
And water plants and drive the cars and leave the warmth burning
And watch the grass as it sets out to be growing
And let it all out as happiness stars shine in to flow in

So let me hear you say your love is magnificent
As we belong to each other, I feel I'm growing dissident
Summer nights left me out there standing alone
I never felt so cold although the sun was high and burning

So allow me to say, I am so confident
That all I know is that I'm growing dissident
And summer nights spent in joy are agony
When left alone in the dark with horror symphony

So who do you really think I am in this song
When winter came, I was no longer alone
I set out to be someone I really cared about
And that's done, no way to change it now

I was the triumph of sorrow and agony
Completely enslaved by this soliloquy 
I delivered myself from defeat and depression
Each and every day I pray out of obsession

I am the triumphing victory of the loser
I am the winner, the grinder, the soldier
I am my own victory inside
I have finally my own life

Song for the Gone

Take a ride on this ship
And enjoy the ride so sweet
Take the captain by the hand
Gaining slowness by her face
And soon I'd learn to dance with water 
The boat steers on forever higher

Win another kiss would be swell
I can't forget your face, your smell
Your candid perfume stuck in me long
Your candid perfume's all I long
As fireworks fog the night sky
I can't know if it's starry or on fire

Your lashing eyebrows
Your dark, dark eyes
Your dizzying smile
How can it embrace so tight?
It takes me away and tortures me
And that's something I can no longer see

I wish I could feel you near once more
In light of things I'd have never done
And take the captain's hand again
It would be sweet; it won't be sane
The captain's too much like me to make sense
She steers and sails gently, but with no tame

Hazards lurking through the cracks of your eyes
Shivers crushing through the brilliance of the times
I spent with you so little yet I long for so much more
Hit me hard but hit me, I will walk outside these doors
Midnight tears will bring a spark of fortune
River currents flowing through me might bring nurture

Not the same between us, but amongst us all
An idea we'll remember once we avoid to stand too tall
That death shall take us once and we never will be brought
Back into this reality so that's why it can't be naught
I'd love to see you once more standing tall and elegant
Booming waves of inspiration within my lonely semblant

And hearken for the leaves of trees in style
The branches and the wood against the tile
Your laughter singing out to the joy of the world
Your inspiration cutting through like a sword
And the leaves, they'll stand and hearken
For all the bloom you brought into this garden 

Then I'll sing a song to you
Hope you'll be amused
It starts fast and still gets higher
It should blow out your inside fire
And all the fireworks will breath in silence
Just like your eyes, a starry presence